Agências dos Correios empregam contadora de cédulas para modernizar o trabalho

A contadora de cédulas organiza em lotes as receitas do dia

A contadora de cédulas é a maneira mais fácil de lidar com um grande volume de dinheiro, seja no varejo, na prestação de serviços, ou em áreas de utilidade pública, caso dos Correios. A empresa pública de capital aberto, além de serviços postais, serve como correspondente do Banco do Brasil para pagamentos, saques, depósitos e abertura de contas, além de outros serviços diversos. Toda essa movimentação é feita em sua maioria em dinheiro em espécie, e a contadora de cédulas se torna um item indispensável para a organização interna da agência.

contadora de cedulas

“Dependemos da contadora de cédulas para administrar a quantidade de dinheiro que circula no nosso dia a dia. Como oferecemos uma diversa gama de serviços para o público, há um fluxo grande de pessoas e capitais que requerem muito treinamento e uma atenção constante nos processos. Além de receber pagamentos de contas de consumo, como energia elétrica, gás, condomínio e boletos diversos de até R$ 500, também fazemos saques para os clientes do Bando do Brasil. Nesse ritmo de entradas e saídas do caixa, temos na contadora de cédulas, uma forma de controlar a quantidade de dinheiro na agência”, afirma o gerente Gabriel O. de Muniz, funcionário da agência dos Correios, do Extra em Carapicuíba, na grande São Paulo.

Os correios já mecanizaram o processo de separação das correspondências em suas centrais de distribuição há muito tempo. A tecnologia como solução para problemas logísticos é uma das marcas da empresa, o uso da contadora de cédulas é mais um exemplo, que é considerada pela população uma das mais confiáveis do governo brasileiro, e a única capaz de integrar o país de norte a sul com um sistema simples, baseado no código de endereçamento postal, ou cep.

“A contadora de cédulas é mais uma das implantações que melhoram o nosso cotidiano. Já usamos códigos de barras e seus respectivos leitores para evitar erros nas remessas postais. Nos centros de triagem da companhia, há gigantescas esteiras e scanners que conseguem identificar o destino de cada uma das encomendas e encaminha-las para o seu destino. Essa excelência em todos os pontos do trabalho foi o principal motivo que me levou a investir em uma agência”, explica Ronaldo C. da Costa, dono de uma franquia dos Correios em Barueri.

Segundo ele, a auditoria em cima das agências é muito grande, e a exigência sobre o controle e a transparência nas administrações é total. “Nossa margem de lucro é pequena, quando recebemos um pagamento de um boleto, em média R$ 0,20 apenas é a nossa comissão, e os outros serviços não são muito diferentes, então, tudo deve ser examinado nos mínimos detalhes, e nessa hora, uma contadora de cédulas cai muito bem”, conclui Ronaldo.